Prensa

12-10-09

Panel Description: New Voices from the Americas

This year’s Festival features a number of extraordinary films by emerging filmmakers from the across the America—from Mexico to Chile. Come listen to them talk about their craft and reflect on their experiences of and perspectives on filmmaking in a global context. 

 

GREEN WATERS

 SCREENING 1: Tuesday 13 October, 6:15 pm

 SCREENING 2: Wednesday 14 October, 8:30 pm

 SCREENING 3: Friday 16 October, 4:15 pm

LA HABANA NUEVOS DIRECTORES

Aguas Verdes en La Habana Festival de cine Latinoamericano.
La semana que viene:
MARTES 8    Cine 23 Y 12        12:30pm  
JUEVES 10   Cine LA RAMPA     10:00am  
SABADO 12  Cine YARA            3:00pm 

Surf this video: 10 min 30 seconds

http://www.rtvslo.si/play/osmi-dan/ava2.44933549/

AGUAS VERDES LINKS DE PRENSA

http://www.hollywoodreporter.com/hr/festival/film-review-green-waters-1003940317.story

www.domradio.de/kultur_am_sonntag/

www.dw-world.de/dw/article/0,,4028220,00.html?maca=spa-aa-cul-870-rdf - www.laopiniondemurcia.es/secciones/noticia.jsp?pRef=2009021000_12_

latino.msn.com/noticias/articles/ArticlePage.aspx?cp-documentid=17651776 - 22k -

www.pagina12.com.ar/diario/suplementos/espectaculos/5-12789-2009-02-08.html -

www.theauteurs.com/notebook/posts/547 - 18k

www.jigsawlounge.co.uk/film/content/view/953/1/ - 24k

http://commercialman.wordpress.com/2009/02/14/aguas-verdes%E2%80%9D-celos-e-inseguridades-de-un-padre-de-familiacine-13022009/

http://www.laopinion.es/secciones/noticia.jsp?pRef=2009021000_8_199246__Culturaycomunicacion-comedia-torna-thriller-psicologico-filme-Aguas-Verdes

http://www.deutsche-welle.de/dw/article/0,,4028220,00.html

http://www.genussmaenner.de/aid=4430-2.phtml

http://www.clarin.com/diario/2009/02/09/espectaculos/c-00401.htm

https://www.lanacion.com.ar/nota.asp?nota_id=1097308

http://www.tvi24.iol.pt/cinema/indie-indielisboa-aguas-verdes/1060242-4059.html

Video link:

http://vimeo.com/2045844

Photos link:

http://www.flickr.com/photos/marianoderosa/

http://www.berlinale.de/en/presse/pressevorfuehrungen/datenblatt.php?film_id=20090297

www.indielisboa.com

http://www.cinematek.be/?node=10&event_id=100017500&description=Programme

 

AGUAS VERDES

Rodada en La Plata y en el Partido de La Costa,

Aguas Verdes (Argentina , 89´, 35 mm, Febrero del  2009) es una coproducción entre Mariano De Rosa, Ruda Cine y Rizoma Films  y fue realizada con el apoyo del  INCAA (Proyecto ganador del Concurso Primeras y Segundas películas 2004) y de la Universidad del Cine.   

 

Cuenta con la participación de Alejandro Fiore, Milagros Gallo, Diego Cremonesi y Julieta Mora, entre otros y ha sido rodada en la Ciudad de La Plata y en el balneario de Aguas Verdes.

Aguas Verdes Festivales

- Forum del Festival de Berlin 2009, donde se estrenó internacionalmente; con muy buenas repercusiones de prensa y público.

- Participó en la Competencia Internacional en el Festival Indie Lisboa 2009.

- Participó del Prix Age d´Or que es parte del Festival Internacional de cine de Bruselas 2009.

- Participará del Sanfic 5 (Santiago d Chile).

- Participará del Festival Internacional de Cine de Izola 2009.

- Participará del World Cinema Section del Festival Internacional de Cine de Chicago 2009

Elenco

Alejandro Fiore
Diego Cremonesi

Milagros Gallo
Julieta Mora
Maxi Gigli
Jorgelina Amendolara
Efrat Wolns

Equipo Técnico

Productor Ejecutivo………………….Rosa Martínez Rivero-Mariano De Rosa
Director de Fotografía…………………………….Pablo Schverdfinger

Musica………………………………………………Hernan Cieza
Director de Arte……………………………………Luis Sales / Oscar Lozano
Director de sonido………………………………...Daniel Ibarrart
Vestuarista…………………………………………Guillermina Vigas
Montaje…………………………………………….Mariano De Rosa
Asistente de Dirección……………………………Lorena Lisotti
Jefe de producción……………………………….Gastón Grazide
 
 

Sinopsis Argumental
Aguas Verdes es el nombre del balneario a donde Juan planea ir de vacaciones de verano con su esposa y sus dos hijos, En la ruta hacia el pueblo las cosas comienzan a no ir del todo bien. La primera señal le llega a Juan cuando ve que Laura, su hija adolescente, hablando con un extraño motociclista en una estación de servicio.

Una vez que lleguen las cosas cada vez irán peor para Juan en Aguas Verdes…

 

Notícias e vídeos de cinema de Portugal e do Mundo

IndieLisboa: «Águas Verdes», Tati, Pasolini e Moretti na Argentina

«Águas Verdes», Mariano de Rosa, Argentina, 2009

Por: Redacção /Edmundo Cordeiro*  |  27-04-2009  20: 44

Tati na análise do gesto social, Moretti na análise do comportamento e na atitude perplexa das personagens, sobretudo da personagem principal, e Pasolini, Pasolini na linha de queda que um «anjo» vem desencadear. E tanta coisa, tanta coisa mais, por certo. Esta Argentina é um caso. Faz-me querer ir lá. Lá, fazem-se filmes interessantes, isso posso eu dizer. Este é o segundo filme argentino na competição internacional de longas-metragens (e, tal como os outros, também vai passar mais uma vez, atenção ao programa). Sem dúvida nenhuma, o melhor destes quatro filmes em competição que vi até agora. Ainda faltam alguns, é certo. E tão diferentes são as coisas! Parece que ainda há filmes feitos por quem se agarra ao que quer mostrar, por quem quer verdadeiramente a imagem, e não, como acontece quase sempre por aqui, por quem quer os efeitos das imagens. É fundamental, a diferença. O que é que a Argentina tem para mostrar e ensinar? Vão ver os seus filmes. Fora do Festival, também há outro em exibição, de Lucrecia Martel, «A Mulher Sem Cabeça». E, mais uma vez, uma família. Já li que é sobretudo disso que os filmes em competição tratam. Posso confirmar. Mas, mais do que de uma família, em «Águas Verdes», trata-se de um pai, dado que o filme é construído em torno do ponto de vista do pai (excelente, o actor Alejandro Fiore, tal como todos os outros, aliás). E que ponto de vista! É nisso que Mariano de Rosa ganha o filme, nesta que, salvo o erro, é a sua primeira longa-metragem. No início, é um pai que quer sair dali, com dois filhos (uma filha já mulher e um filho pré-adolescente) à bulha por toda a casa. Quer sair dali de férias, no seu Peujeot amolgado e de pintura retocada. E há nestes filmes sinais (como este) que me deixam baralhado e que constituem também o seu encanto: que objectos são estes, que roupas são estas, que espaços humanos são estes, o que é que estas pessoas fazem? Voltando à personagem, esta, no fim, já não é a mesma. (Atenção, as personagens não são sempre as mesmas de princípio ao fim ¿ já ouviram falar desta elementar regra de estética e de vida?) No fim, a personagem já não é um pai. É alguém que arrasta a sua família dali para fora (do local de férias, da praia), já separado dela, ou, talvez ainda, para salvar qualquer coisa. Mas, qual quê! Para salvar nada! Uf! Aquilo fica tudo podre, sem parecer, como o peixe, no final.

Esta mudança radical da personagem é manejada com grande maestria por Mariano de Rosa. Passa-se da comédia para um drama psicológico intenso, uma atmosfera de «thriller» ligada à paranóia da personagem. Esta quer controlar, quer saber o que se passa, com, em primeiro lugar, a sua filha, atraída pelo anjo do caminho (Roberto), que a segue até à praia. E depois com a sua mulher e as relações que esta constrói e lhe fogem da mão, onde se inclui a aproximação do mesmo anjo que se aproximou da filha (Roberto). E depois com o filho, o que é que anda o filho a fazer ali, para que todos os pais o venham avisar que o querem afastado dos seus filhos? A desconfiança da personagem do pai (mais uma vez, o excelente Alejandro Fiore) ganha imagem, dado que passa completamente para o espectador: é verdade que todos o andam a enganar? É tudo inocente? E por que é que tudo tem de ser inocente, afinal? Pergunta o espectador. Repito: e por que é que tudo tem de ser inocente? Lá está, Mariano de Rosa queria que fizéssemos a pergunta. É o seu método. Excelente filme, a que voltaremos, no balanço final da competição.